Parque Pelotense: um espaço de lazer em Pelotas/RS

Dalila Rosa Hallal, Dalila Müller

Resumo


Neste artigo analisamos o surgimento e a trajetória do Parque Pelotense e sua importância para o lazer em Pelotas, no período de 1883, quando é inaugurado, até 1916, quando é arrendado, não sendo mais dirigido pela família Souza Soares. Inicialmente discutimos a questão dos parques no mundo e no Brasil. Posteriormente fazemos um “passeio” pela história do Parque Pelotense, também chamado de Parque Souza Soares, e seus usos principalmente enquanto espaço de lazer. As fontes desta pesquisa foram bibliográficas e documentais, existentes no acervo da Biblioteca Pública Pelotense; no Instituto Histórico e Geográfico do R. G. do Sul; no acervo fotográfico Nélson Nobre Magalhães – Memórias de Pelotas, principalmente Almanaques e jornais diários de Pelotas. Pode-se identificar que o Parque foi um dos principais espaços para o lazer dos pelotenses, um espaço capaz de estabelecer relações sociais mediante práticas esportivas, educativas, culturais, artísticas e ambientais. O Parque Pelotense era um local de lazer completo para a época, com muita cultura, beleza e diversão, vinham visitantes de vários lugares para conhecer e apreciar o Parque. Com o passar dos anos, o Parque foi abandonado e posteriormente loteado. Hoje não resta mais nada, atualmente existe no local uma escola, posto de saúde, casas residenciais, comércio e outros. 


Palavras-chave


História; Parques Urbanos; Lazer; Parque Pelotense; Pelotas.

Texto completo:

PDF

Referências


FARIELLO, F. La arquitectura de los jardines: de la antigüedad al siglo XX. Madrid: Celeste, 2000.

GILL, L. A. A cura sob suspeita: a presença de espíritas, feiticeiros, homeopatas e licenciados em Pelotas (RS) – 1891-1930. IX Encontro Estadual de História. 2008. Disponível em: http://eeh2008.anpuhrs.org.br/resources/content/anais/1212353245_ARQUIVO_TextofinalANPUH2008-LorenaAlmeidaGill.pdf. Acesso em: 24.04. 2016.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO SUL. Discurso de Recepção. Fausto José Leitão Domingues. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do RS. 2012, n. 146.

KLIASS. Rosa Grena. Parques urbanos de São Paulo e sua evolução na cidade. São Paulo: Pini, 1993.

LEÓN, Z. de. Os bondes em Pelotas - a novidade no Rio Grande do Sul. Viva o Charque. Pelotas. 02/05/2012. Disponível em: http://www.vivaocharque.com.br/interativo/artigo22 Acesso em: 17.05.2016.

MACEDO, S. S; SAKATA, F. G. Parques Urbanos no Brasil (Brazilian Urban Parks). São Paulo: Edusp, 2002.

MACEDO, S. S. Parques Urbanos no Brasil. Editora da Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2003.

MAGALHÃES, M. O. Opulência e Cultura na Província de São Pedro do Sul. Um estudo sobre a história de Pelotas. Pelotas: Ed. UFPel, 1993.

MARRONI, Fabiane Villela. Pelotas (re)vista: a Belle Époque da cidade através da mídia impressa. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

MELO, M. I. O. Parques Urbanos, a Natureza na Cidade: Práticas de Lazer e Turismo Cidadão. Mestrado Profissional em Turismo. Universidade de Brasília. Brasília, 2013.

MORAES, F. R. Um Estudo Sobre a Conservação do Altar de Santa Luzia. Monografia Bacharelado em Conservação e Restauro de Bens Móveis. UFPEL. Pelotas/ RS, 2013.

NUNES, I. A. Cultura: Injeção de ânimo no resgate da história. Diário Popular. 09.12.2007.

OLIVEIRA, E. P. de. Viagem na memória do Fragata: estudo sobre a história e cultura de um “bairro cidade”. Monografia apresentado no curso de Especialização em Patrimônio Cultural. Programa de Pós-graduação em Artes. Universidade Federal de Pelotas, 2007.

PEIXOTO, P. T. Património de origem filantrópica – contributo dos brasileiros. Revista Lusíada. Universidade Lusíada (Porto), 2016. Disponível em: http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/fa/article/download/314/292. Acesso: 18.04.2016.

RASSIER, A. L. P. L. Parque Souza Soares: apenas lembranças. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Patrimônio Cultural: conservação de artefatos) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2003.

SCALISE, W. Parques Urbanos – evolução, projeto, funções e uso. Revista Assentamentos Humanos. Marília, v. 4, n. 1, 2012, p.17-24. Disponível em: http://www.unimar.br/feat/assent_humano4/parques.htm Acesso em: 05. 04.2015.

SCOCUGLIA, J. B. C. O Parc de La Tête d’Or: patrimônio, referência espacial e lugar de sociabilidade. Arquitextos, São Paulo, 13.03.2009. Vitruvius. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/10,113/20 Acesso em: 05. 04.2015.

SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: FAPESP, 1996.

SERPA, A. O Espaço Público na Cidade Contemporânea. São Paulo: Editora Contexto, 2007.

SILVEIRA, A. M. da. De fontes e aguadeiros à penas d’água: reflexões sobre o sistema de abastecimento de água e as transformações da arquitetura residencial no final do século XIX em Pelotas – RS. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

SOARES, P. R. R. Modernidade Urbana e Dominação da Natureza: o saneamento de Pelotas nas primeiras décadas do século XX. História em Revista, Pelotas, v.7, 2001.

SOUZA SOARES, V. O Novo Médico. 2 ed. Portuguesa. Porto (Portugal): Estab. Indust. Pharmaceut. [s.d.].

SPIRN, Anne Whiston. O jardim de granito: a natureza no desenho da cidade. Tradução: Paulo Mesquita Pellegrino. São Paulo: Edusp, 1995.




Direitos autorais 2018 Anais Brasileiros de Estudos Turísticos - ABET

Indexadores da Revista ABET:
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Biblioteca da Universidade de Santa Cruz do Sul
Programa de Pós-Graduação Geografia Universidade Brasília
 
 
 
Departamento de Turismo/DepTur, Instituto de Ciências Humanas/ICH, Sala A-II-08, bloco A.
Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
R. José Lourenço Kelmer, Campus Universitário, São Pedro. Juiz de Fora, Minas Gerais (MG) / Brasil. CEP.: 36036-330.
ISSN 2238-2925