História em Verso e Prosa: representações femininas no roteiro do atrativo turístico um sarau imperial em Petrópolis/RJ

Jarlene Rodrigues Reis, Frederico Ferreira de Oliveira

Resumo


Promovido pelo Museu Imperial de Petrópolis, a dramatização Um Sarau Imperial é a encenação de uma reunião social entre a Princesa Isabel e algumas de suas amigas. O espetáculo, cujo elenco é formado somente por mulheres, reúne performances musicais, declamações de poemas, leituras de trechos de jornais do século XIX e interações entre o elenco e a plateia. Neste trabalho buscamos compreender as manifestações do resgate das memórias da Princesa Isabel e da realização dos saraus no contexto das representações femininas do século XIX, a partir do texto-roteiro do atrativo turístico-cultural “Um Sarau Imperial”. O arcabouço teórico foi construído a partir de vertentes da história cultural, história da mulher e turismo cultural. Foi realizada observação participante do Sarau durante três apresentações em novembro de 2016, além de entrevista com a autora do texto-roteiro do Sarau. Observou-se que o Sarau Imperial se apresenta como plataforma de resgate de memórias femininas em um ambiente pouco tradicional, recriando a tradição dos saraus como forma de ampliar a interatividade com o público participante, convidado a refletir sobre questões contemporâneas a partir das situações encenadas.


Palavras-chave


Um Sarau Imperial; Petrópolis; Saraus no século XIX; Representações e memórias femininas

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Vida privada e ordem privada no Império. In: NOVAIS, F. e ALENCASTRO, L. F. (orgs.) Império: a Corte e a modernidade nacional. História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, v.2, p.11-93.

AGUIAR, Jaqueline V. de. Princesas Isabel e Leopoldina: mulheres educadas para governar. Curitiba: Appris, 2015.

BARRETTO, Margarita. Manual de iniciação ao estudo do turismo. 13. ed. Campinas: Papirus, 2003.

BARMAN, Roderick J. Princesa Isabel do Brasil: gênero e poder no século XIX. São Paulo: Unesp, 2005.

BRASIL. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação-Geral de Segmentação. Turismo Cultural: orientações básicas. 3. ed.- Brasília: Ministério do Turismo, 2010.

COOPER, Chris; FLETCHER, John; FLYALL, Alan; GILBERT, David; WANHILL, Stephen. Turismo: princípios e práticas. Porto Alegre: Bookman, 2007.

CRUZ, Rafael de Oliveira. Nas “batalhas de flores” não faltavam espinhos: Silva Jardim e a Princesa Isabel no cenário politico do final da monarquia brasileira (1886-1889). Historien – Revista de História, Petrolina, ano IV, 2012, p. 41-63.

DAIBERT JÚNIOR, Robert. Gênero e política: um olhar (estrangeiro) sobre a Princesa Isabel. Estudos Feministas, Florianópolis, 11(2), 2003, p. 661-680.

DEL PRIORE, Mary. O castelo de papel: uma história de Isabel de Bragança, princesa imperial do Brasil, e Gastão de Orléans, conde d’Eu. Rio de Janeiro: Rocco, 2013.

FACINA, Adriana; SOIHET, Rachel. Gênero e memória: algumas reflexões. Gênero, Niterói, v. 5, n. 1, 2. Sem. 2004, p. 9-19.

FERNANDES, Neusa. Eufrásia e Nabuco. Rio de Janeiro: Manuad X, 2012.

FILGUEIRAS, Carlos A. L. A Química na educação da Princesa Isabel. Química Nova, vol. 27, n. 2, 2004, p. 349-355.

FUNARI, Pedro Paulo; Pinsky, Jaime (org.). Turismo e patrimônio cultural. São Paulo: Contexto, 2011.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

IGNÁCIO, Myrrena. Do silêncio uma voz: a princesa Isabel e a participação das mulheres no Império. Revista Ballot, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, Set./Dez. 2015, p. 216-335.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad. Bernardo Leitão. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Lisboa: Edições 70, 2015.

MARUJO, Noémi. O estudo académico do turismo cultural. TURyDES, vol. 8, nº 18, 2015, pp. 1-18.

MCKERCHER, B.; CROS, H. Cultural Tourism: the partnership between tourism and cultural heritage management. THHP, New York, London, Oxford, 2002.

MELO, Victor Andrade de. Educação do corpo – bailes no Rio de Janeiro do século XIX: o olhar de Paranhos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 751-766, jul.-set. 2014.

MESQUITA, Maria Luiza de C. Isabel e a escrita de si: uma princesa entre o público e o privado. In: Encontro de História Anpuh-Rio: Identidades, XIII, 2008, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro, 2008. Disponível em Acesso em: 16 fev. 2017.

MOLINA, Sergio. O pós-turismo. Trad. Roberto Sperling. São Paulo, Aleph, 2003.

MUNIZ, Diva do Couto Gontijo. Feminismos, epistemologia feminista e História das Mulheres: leituras cruzadas. OPSIS, Catalão, v. 15, n. 2, 2015, p. 316-329.

MUSEU IMPERIAL. Disponível em < http://www.museuimperial.gov.br/eventos/espetaculos/sarau-imperial.html> Acesso em: 16 fev. 2017.

NAVARRO-SWAIN, T. A história é sexuada. In: RAGO, M.; MURGEL, Ana Carolina A. de T. (Org.). Paisagens e tramas: o gênero entre a história e a arte. São Paulo: Intermeios, 2013. p. 51-60.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO. Turismo Internacional: uma perspectiva global. Trad. Roberto Cataldo Costa. 2. ed. Porto Alegre: Bookmann, 2003.

PERROT, M. Práticas da memória feminina. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 18, Ago/Set. 1989, p. -18.

______. Escrever uma história das mulheres: relato de uma experiência. Cadernos Pagu, n. 4, 1995, p. 9-28.

POLLACK, Michel. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, v. 5, n. 10, Rio de Janeiro, p. 200-212.

REJOWSKI, Mirian. (org.). Turismo no percurso do tempo. São Paulo: Aleph, 2002.

RICHARDS, Greg. Tourism development trajectories – from culture to creativity? Econtros cientificos – tourism & management studies, 2010, n. 6, p. 9-15.

______. Developing creativity in tourist experiences: a solution to the serial reproduction of culture?. Tourism management, 2006, 27, p.1209-1223.

______. Tourism development trajectories: from culture to creativity? In: RICHARDS, Greg; WILSON, Julie. (org). Tourism, creativity and development. Oxon: Routledge, 2007, p.1-33.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCOTT, Joan. Gender: a useful category of historical analyses. The American Historical Review, v. 91, Issue 5, 1986, p. 1053-1075.

SERGL, Marcos Júlio. Saraus, récitas líricas, bailes e concertos ituanos: as sinhazinhas e seus dons musicais, embebidos em gengibirra e quitutes. In: 9º Encontro Internacional de Música e Mídia: 'o gosto da música', 2013, São Paulo. O gosto da música: 9º Encontro Internacional de música e Mídia. São Paulo: MusiMid, 2013.

TENNINA, Lucía. Saraus das periferias de São Paulo: poesia entre tragos, silêncios e aplausos. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, 2013, n.42, pp.11-28.

VIRGILI, Fabrice. L’histoire des femmes et l’histoire des genres aujourd’hui. Vingtième Siècle. Revue d’histoire. 75, Juillet-Septembre, 2002, p. 5-14.

YASOHIMA, José Roberto; OLIVEIRA, Nadja da Silva. Antecedentes das viagens e do turismo. In: REJOWSKI, Mirian. (org.). Turismo no percurso do tempo. São Paulo: Aleph, 2002, p.17-41.




Direitos autorais 2018 Anais Brasileiros de Estudos Turísticos - ABET

Indexadores da Revista ABET:
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Biblioteca da Universidade de Santa Cruz do Sul
Programa de Pós-Graduação Geografia Universidade Brasília
 
 
 
Departamento de Turismo/DepTur, Instituto de Ciências Humanas/ICH, Sala A-II-08, bloco A.
Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
R. José Lourenço Kelmer, Campus Universitário, São Pedro. Juiz de Fora, Minas Gerais (MG) / Brasil. CEP.: 36036-330.
ISSN 2238-2925